Fetichismo da Subjetividade

Em uma sociedade de consumidores, as subjetividades se misturam com as mercadorias, já que exibir-se equivale a estar vivo. Os próprios sujeitos são transformados em bens de consumo no instante quando seus esforços se dirigem para torná-los visíveis e serem capturados aos olhares dos consumidores. Bauman recupera o conceito de “fetichismo da mercadoria” de Karl Marx e o aplica às sociedades de produtores (sociedades industriais) para desenvolver o conceito de “fetichismo da subjetividade” nas sociedades de consumidores.


*Trecho da minha dissertação de mestrado O tempo e o impacto da experiência estética na Era da Pre(s)sa: psicanálise e teatro performático



15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo